Apartamento à Aluguel

Lindo Apartamento Na Vila Nhocuné, Pronto Para Morar. 2 Dormitórios, 1 Vaga! Lazer Completo!!! Condomínio Baixo! Excelente Localização. Agende Sua Visita. - Sp - Ap4686_prst

Anunciado há 25 dias

1200 reais
42 m² totais
2 quartos
1 banheiro
Anúncio pausado

Informação do vendedor

Aluguel

    Tempo vendendo no Mercado Livre

    3 anos

Ver propriedades

    Código da propriedade

    AP4686_PRST

Dicas de segurança

  • A partir de Mercado Libre, não te pediremos senhas, PIN nem códigos de verificação por WhatsApp, telefone, SMS ou e-mail.

  • Verifique se o imóvel existe e desconfie caso digam que precisam vendê-lo ou alugá-lo com urgência.

  • Confira o remetente dos e-mails para ter certeza de que foi enviado por Mercado Libre.

  • Peça o máximo de informações possíveis sobre o imóvel, bem como fotos e/ou vídeos para comprovar sua veracidade.

  • Suspeite se o valor te parecer muito baixo.

  • Não use serviços de pagamento anônimo para pagar, reservar ou antecipar dinheiro antes de ter visto o imóvel.

Localização

Avenida Professor Edgar Santos, São Paulo Centro, São Paulo

Ver información de la zona

Características

Área total42 m²
Área útil42 m²
Quartos2
Banheiros1
Garagens1

Cozinha

Informações da região

São os pontos mais próximos do imóvel em um raio de 2 km.
Pontos de ônibus
Avenida Prof. Edgar Santos, 550
1 min - 79 metros
Avenida Prof. Edgar Santos, 703
1 min - 107 metros
Rua Doutor Xavier De Oliveira
1 min - 110 metros
Avenida Itaquera, 2840
1 min - 113 metros
Avenida Itaquera, 2882
2 mins - 129 metros

Descrição

Chegou a hora de você morar em um imóvel para você chamar de seu. Um condomínio com um lazer completo com Piscina adulto e infantil, Academia, Salão de festas, Playground, Salão de jogos, Fitness externo e Brinquedoteca, próximo ao transporte público, comércio e shoppings. Venha conhecer seu futuro apartamento.
Apto com 42 m com garagem. 2 dormitórios. Porcelanato no banheiro e sala.

Curiosidades sobre o distrito Aricanduva:
Aricanduva (em tupi-guarani: "lugar onde há muitas palmeiras da espécie airi") é um distrito da Zona Leste do município de São Paulo e pertence à subprefeitura homônima, que aglomera também os distritos de Vila Formosa e Carrão.

Possui uma população de 89.622 habitantes[1] (2010) e 6,6 km² de área. Abriga o Centro Comercial Leste Aricanduva, o maior da América Latina e a avenida de mesmo nome, que cumpre um importante papel na mobilidade da Zona Leste de São Paulo.


Índice
1 História
2 Atualidade
3 Centro Comercial Leste Aricanduva
4 Geografia
4.1 Bacia Hidrográfica
4.2 Distritos limítrofes
5 Bairros
6 Infraestrutura
7 Ver também
8 Referências
9 Ligações externas
História
No século XVII, o riacho Aricanduva já era mencionado, assim como um arrabalde da cidade de São Paulo de nome igual. A origem do Aricanduva data de aproximadamente os anos de , mas foi desenvolvido por imigrantes portugueses a partir da década de 1940.

Toda a área era uma grande fazenda de Luis Americano, dono de muitas terras, e do Parque do Carmo. Ele repassou parte das terras para o então Governador do Estado, Ademar de Barros, que as retalhou em lotes e chácaras e criou uma empresa de loteamentos chamada Aricanduva.[2]

A abertura do trecho leste da Radial Leste aproximou o bairro do centro da cidade e, em 1976, a construção da Avenida Aricanduva sobre o leito do córrego homônimo impulsionou o contínuo desenvolvimento do distrito.

Atualidade
O Aricanduva é conhecido pelo rio e pela avenida de mesmo nome. Antes das intervenções da Subprefeitura Aricanduva nos córregos e nas ruas para a prevenção de inundações, a região, principalmente as áreas lindeiras ao rio, era bastante afetada pelas chuvas de verão, causando desvalorização imobiliária. O perfil do casario é misto, ou seja, apresenta residências para as classes baixa, principalmente na divisa com a Subprefeitura de Sapopemba e distritos de Cidade Líder e São Matheus; enquanto o perfil médio e médio-alto se concentra nos bairros de Jardim Aricanduva, Vila Antonieta, Jardim Vila Formosa e Vila Carrão, já próximos aos distritos de Vila Formosa e Vila Carrão.

É um bairro que está em processo de verticalização, a qual se intensificou a partir de 2011. De acordo com os atuais mapas da Prefeitura de São Paulo, situa-se no Aricanduva o Centro Educacional Unificado Formosa (CEU Formosa), localizado próximo à divisa com o distrito de Vila Formosa.

Com as recentes expansões do Centro Comercial Leste Aricanduva, que o tornou o maior centro comercial da América Latina em área construída, e com os novos lançamentos imobiliários, as residências da região se valorizaram e o metro quadrado, em 2018, alcançou um valor médio de R$ 6.980,00[3], enquanto a renda média per capita do distrito - em 2017 - era de R$ 3.828,40[4], de acordo com o Mapa da Desigualdade divulgado pela Rede Nossa São Paulo.

Ainda, a região está se diversificando em estabelecimentos de lazer. Desde o início da verticalização em 2011, o número de academias, padarias, bares com música ao vivo e outros comércios aumentou.

Centro Comercial Leste Aricanduva
A abertura do trecho Radial Leste e a construção da Avenida Aricanduva trouxeram perspectivas de progresso e impulsionaram o desenvolvimento do bairro, que conta com uma infraestrutura completa de comércio na região.

O Shopping Aricanduva é o maior shopping center do Brasil e da América Latina, sendo o nono maior do mundo em área bruta, possuindo 579 lojas e 420 mil metros quadrados de área. Está localizado no distrito da Cidade Líder e seu nome se deve a avenida na qual se encontra.

Geografia
Bacia Hidrográfica
O distrito está localizado sobre a sub-bacia do Rio Aricanduva, que aflui do Rio Tietê e possui cerca de 100,4 km² de área de drenagem.[5] Durante a colonização, o córrego serviu como ligação entre a Vila de São Paulo com o Vale do Paraíba ao Porto de Santos e também com o Rio de Janeiro.

Distritos limítrofes
Vila Matilde - Norte
Vila Formosa e Carrão - Oeste
Sapopemba - Sul
Cidade Líder e São Mateus - Leste

Sobre a Zona leste:

A região onde hoje é a zona leste fora ocupada por tribos indígenas, como a guaianá, que formou a Aldeia Ururaí em 1580.

Os colonizadores portugueses que buscavam rumos para o oeste sofriam constantes e violentos ataques indígenas pelo caminho por terra. Então os rios Tietê, Tamanduateí, Aricanduva e seus afluentes tiveram um importante papel nas bandeiras. Estas utilizavam as vias fluviais para garantir segurança e maior rapidez.

Pouco a pouco, as localidades banhadas por esses rios, áreas distantes do Centro Histórico de São Paulo, foram povoadas, exemplo de: Mooca, Tatuapé e São Miguel Paulista.[1] Na última, o primeiro núcleo populacional da zona, houve a fundação da primeira igreja por meio dos jesuítas no ano de 1622, sendo estabelecida a Capela de São Miguel Arcanjo.

Com o passar dos anos, a região ganhou importância, pois fazia a ligação de São Paulo e Rio de Janeiro.[1] O município de São Paulo expandia-se, e seus territórios mais distantes tornavam-se propriedades rurais. Vilas eram criadas ao redor de igrejas, sendo assim criados novos bairros, como a Penha.[1]

No final do século XIX, o município industrializa-se e as antigas propriedades rurais são substituídas por indústrias e bairros proletários, caso de Vila Matilde e Vila Formosa. Houve, também, uma extensão da malha ferroviária paulistana, que escoava as mercadorias.[1]

Através da imigração, a população multiplicou-se descontroladamente e os bairros operários passaram a sofrer marginalização, por serem desprovidos de infraestrutura.[2] Os imigrantes vindos predominantemente da Itália, Espanha, Japão, Síria e Líbano estabeleceram tradições de suas culturas em seus bairros, forte exemplo da Festa de San Gennaro e Clube Atlético Juventus na Mooca. Na Vila Zelina, Vila Alpina e Vila Bela, região da Vila Prudente, há forte influência de povos eslavos.

As fábricas existentes, primeiramente produtoras de tecidos e alimentos, são gradativamente substituídas pela indústria pesada e construção civil. As mesmas passam a exigir grande quantidade de mão de obra. A imigração diminuía a cada ano, e começou a haver a atração de milhões de migrantes oriundos da Região Nordeste do Brasil.[2]

As regiões periféricas recebiam novos moradores, que, por falta de fiscalização do Governo, construíam suas moradias em áreas sem infraestrutura, saneamento básico, eletricidade, dentre outros aspectos. Surgiram, então, os bolsões de pobreza vistos na maioria dos distritos das regiões Leste 1 e 2. Aliado à decadência da indústria paulistana, a zona enfrenta inúmeros problemas, fazendo com que registre a pior renda média familiar e a menor concentração de atividade econômica, sendo uma das mais pobres do município.[1]

Na cultura popular

Arena Corinthians e seu entorno imediato.
Na Zona Leste, a presença da sede oficial do clube de futebol Corinthians no bairro do Tatuapé e a Arena Corinthians em Itaquera, ambos bairros da Zona Leste, é um dos principais motivos da forte identificação de grande parte dos moradores da região com a instituição e fazem com que haja uma forte ligação, dentro do imaginário popular, entre os moradores da Zona Leste os torcedores da equipe paulista. Outro clube conhecido do futebol paulista, que tem a sua sede social e o seu estádio situado na Zona Leste, é o Juventus da Mooca.

Apesar do conhecimento popular sobre a região, o avanço da tecnologia trouxe para a Zona Leste diversos recursos que podem ser utilizados, por exemplo pedir comida pelo celular, taxi pela Uber, ou pedir guincho pelo app.

Na linguagem coloquial, a Zona Leste é frequentemente designada pela sigla ZL.

Regiões

Região dos distritos de Vila Prudente e Mooca, na Zona Sudeste

Parque Ecológico do Tietê, ao norte do distrito de Cangaíba, na Zona Leste Um

Shopping Metrô Itaquera, próximo a Arena Corinthians.
Junto também a estação Corinthians-Itaquera do metrô de São Paulo


Vista parcial do Parque Anália Franco. Ao fundo, parte dos distritos de Água Rasa (direita) e Vila Formosa (esquerda). No horizonte, ainda é possível observar edifícios do distritos de São Lucas e Vila Prudente.
Zona Leste Um
A Região Leste Um de São Paulo é uma região administrativa estabelecida pela prefeitura de São Paulo englobando as subprefeituras da Penha, de Ermelino Matarazzo, de Itaquera e de São Mateus.[3] De acordo com o censo de 2000, tem uma população de 1 552 070 habitantes e renda média por habitante de 875,90 reais.[4] É uma região diversificada, tanto comercial, quanto residencial, que está em desenvolvimento, a qual está passando por processos de urbanização e regularização de áreas risco (favelas), canalização de córregos e do rio Aricanduva, além da verticalização.

Zona Leste Dois
A Região Leste Dois de São Paulo é uma região administrativa estabelecida pela prefeitura de São Paulo englobando as subprefeituras do Itaim Paulista, de Guaianases, de São Miguel Paulista e da Cidade Tiradentes. De acordo com o censo de 2000, tem uma população de 1 169 815 habitantes e renda média por habitante de 625,26 reais.[4] É a região com renda per capita mais baixa do município, com pior infraestrutura, com a maior incidência de pobreza (63,9% da população) e com o menor Índice de Desenvolvimento Humano (IDH).

Zona Sudeste
A Região Sudeste de São Paulo é uma região administrativa estabelecida pela prefeitura de São Paulo englobando as subprefeituras da Mooca, de Aricanduva, de Sapopemba, de Vila Prudente e do Ipiranga. Forma, com as Zonas Leste Um e Dois, a macro-zona conhecida simplesmente como Zona Leste, à exceção da subprefeitura do Ipiranga.[5]

De acordo com o censo de 2000, tem uma população de 1 522 997 habitantes e renda média por habitante de 2 441,40 reais.[6] É a região mais desenvolvida da Zona Leste do município, com melhor urbanização, verticalização, infraestrutura, e bairros nobres, como o Jardim Avelino.

Divisão geográfica
Na divisão geográfica do município, chama-se "região leste" à área 4, compreendida entre a avenida Sapopemba, a Radial Leste, a avenida Salim Farah Maluf e o limite do município. Esta região é representada pelas cores vermelha (Zona Leste), amarela (Zona Nordeste) e verde (Zona Sudeste) nas placas de rua e nos ônibus e microônibus urbanos que circulam na região.